segunda-feira, 22 de julho de 2019

Para ter ideias destas...

À falta de ideias para conseguir o tão almejado lugar de líder da oposição, com que tem andado iludida após os bons resultados em Lisboa, para as autárquicas, Assunção Cristas decidiu publicar no Instagram uma sequência de penteados e pedir a opinião dos seguidores para escolher um que lhe mude a imagem para as legislativas de outubro. Enfim... como se um penteado mudasse alguma coisa importante numa cabeça sem neurónios...
Apesar de não ser bicho da minha simpatia, não podia deixar passar esta oportunidade de dar um conselho à badalhoca.
Olha filha, o que te ficava mesmo "a matar", era um penteado à Maria Antonieta. Assim como assim, para ter as tuas ideias, não precisas de cabeça para nada. eheheh




A nossa "geringonça"...

Foto tirada da net
... dura há 41 anos.
Naquele 22 de julho de 1978, também não estava muito bem, mas consegui disfarçar até irmos para a cama.
Na véspera tinha dado um "tralho" de mota, com o primo da noiva. Andámos nas bejecas toda a tarde e, na última curva antes de casa, a mota derrapou e caímos. Ele ia de pendura, ficou debaixo da mota e queimou a perna no escape. Eu aterrei com o joelho direito e fui a mancar para a igreja.
Cada vez que conto esta história, lembro-me daquela anedota em que o noivo escondeu da noiva que tinha uma prótese, por ter perdido uma perna num acidente de mota e, na noite de núpcias, aflito por não ter mais como esconder, quando mostrou o coto à noiva, ela, que não percebia nada de anatomia, na sua inocência tentou acalmá-lo:
- Não te preocupes, querido. Isso com jeitinho entra tudo.

A minha Maria também era inocente, mas já sabia distinguir entre um joelho e uma pila. Ficou preocupada pelo joelho "entrapado" em ligaduras, mas tínhamos coisas mais importantes em que pensar e naquela idade não era um joelho esfolado que nos havia de estragar a noite.
Hoje, passados 41 anos, estamos para aqui engripados e esquecidos. Ninguém nos escondeu os fusíveis nem vieram cá pôr-nos açúcar na cama nem esconder o pijama e a camisa de noite.

A mim parece que me nasceu uma ninhada de gatos dentro do peito. Estou a antibiótico e há dois dias que só saio da cama para comer e ir à casa de banho.
Ela começou ontem a tossir e ainda não sabemos como é que vai acabar. Mas com os dois pulmões saudáveis, por norma não passa de uns dias de tosse e ranho.
Andava admirado por ter passado o inverno sem uma constipação. Estamos no pino do verão e aqui estou eu, prostrado pela febre e com os abdominais "rasgados" pela tosse.
Não posso comer bolo e já me falta o fôlego para apagar 41 velas mas, pelo menos, vamos comemorar na cama...

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Até a gripe anda baralhada com o tempo

Passei o inverno sem me constipar e agora, em pleno verão, apanhei mais uma que me deitou ao chão.
Dantes era raro constipar-me. Nunca tive um dia de baixa por causa de uma gripe. Agora levo a vacina e é raro o ano que não vá à cama com uma gripe.
Passei o dia deitado no sofá, cheio de febre e estou a entrar naquela fase em que cada ataque de tosse me deixa com a sensação de que, a qualquer momento, me vou rasgar pelo picotado e me vão sair as entranhas pela costura.
Com esta evolução, não tarda e fico com o pulmão cheio de líquido... e agora nem tenho médico no hospital. Tenho aquela songamonga que me mandou fazer exames e nunca mais me disse nada. Mas para ter uma médica assim, mais vale contratar um bom cangalheiro.
Ou então o mundo é um mar de rosas e eu é que sofro de mau feitio crónico.